quinta-feira, 24 de abril de 2014

Os cravos

Pois claro que hoje tínhamos de falar de liberdade, 25 de abril, Salazar e que se comemora amanhã 40 anos de liberdade. Conversámos, ouvimos as músicas da época, a "Grândola Vila Morena", "E depois do Adeus" e "Uma gaivota voava voava", vimos a história da nossa amiga Juca, "a amiga das histórias", e aqui fica ela, para poderem rever em casa:
 

Liberdade
View more presentations or Upload your own.


E este foi o texto que serviu de base à Leonor, para ela nos falar do 25 de abril:



"Antes só havia um partido político que apoiava o Governo e apesar de haver eleições estas não eram livres, já que só se podia votar no partido do Governo e as mulheres só podiam votar se tivessem concluído o ensino secundário (o que não era muito comum).
As mulheres necessitavam de autorização escrita do marido para fazer determinadas coisas, como por exemplo, viajar sozinhas para o estrangeiro ou ter um negócio próprio.
Não se podia dizer mal do Governo, quem o fizesse era preso; existia uma polícia política com uma rede de informadores por todo o país, que escutavam quase todas as conversas e as denunciavam caso fossem contra a lei.
As pessoas que se casassem pela Igreja não se podiam divorciar.
Cada empresa pagava o que queria aos seus trabalhadores, ao contrário dos dias de hoje em que há um salário mínimo.
Para poderem ser publicadas, as notícias tinham de ser autorizadas pela Censura, bem como as peças de teatro, as músicas, os livros, os programas de tv, etc., ao contrário de hoje que há Liberdade de Imprensa.
Os jovens passavam quatros anos na tropa, o serviço militar obrigatório, dois dos quais na Guerra do Ultramar (guerra nas colónias africanas); enquanto que hoje o serviço militar deixou de ser obrigatório.
Havia escolas de rapazes e de raparigas, não havia turmas mistas.
Estas são apenas algumas coisas que mudaram... havia muito mais injustiças...
A certa altura, os militares sabendo que a Guerra do Ultramar era uma guerra impossível de ser ganha fundaram o MFA (Movimento das Forças Armadas) e no dia 24 de Abril de 1974 tentam derrubar o Governo.
Às 5 para as 11 da noite, passa na rádio a canção "E Depois do Adeus", de Paulo de Carvalho, a primeira senha para o início das operações do MFA.
À meia noite e vinte é passada na rádio a segunda senha "Grândola Vila Morena", de Zeca Afonso.
Uma coluna militar de tanques, comandada pelo Capitão Salgueiro Maia sai da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém em direcção à capital, onde toma posição junto aos ministérios e depois cerca o Quartel do Carmo onde se tinha refugiado o chefe do Governo, Marcelo Caetano.

 Durante o dia, os populares juntam-se aos militares. Conta-se que a certa altura uma vendedora de flores começou a distribuir cravos e os soldados enfiavam-nos nos canos das espingardas e os populares colocavam-nos ao peito. Por isso se chama ao 25 de Abril a Revolução dos Cravos, por ter sido uma revolução pouco violenta com apenas 4 mortos e poucos feridos.Ao fim da tarde, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder ao General Spínola.Para além do Capitão Salgueiro Maia, que comandou a coluna de Santarém, outros militares desempenharam papéis importantes no 25 de Abril. O major Otelo Saraiva de Carvalho foi o comandante operacional do golpe, dirigindo as operações a partir do Quartel da Pontinha, nos arredores de Lisboa. Outros nomes importantes são major Melo Antunes, o capitão Vasco Lourenço, o major Vítor Alves, o general Costa Gomes e o general Spínola.
Normalmente, nesta data na TV passam alguns filmes e documentários que nos ajudam a explicar aos miúdos a importância desta data!" ( esta informação em Portal dos Miúdos ). 

A Leonor disse-nos que é muito fácil fixarmos o nome do "ditador", e era chamado assim porque era ele "que ditava as ordens" antes da revolução do 25 de abril, porque tem o apelido dela, que é Salazar. Resolvemos fazer cravos, porque a revolução que aconteceu há 40 anos no dia 25 de abril, foi chamada "a revolução dos cravos". Alguns de nós sabem que o Passos Coelho é o 1º ministro e o Cavaco Silva é o presidente.

 

0 Comments:

 
Templates Mamanunes