domingo, 27 de novembro de 2011

Leitura criativa da imagem: Todos iguais, todos diferentes

Esta foi a imagem (retirada da Internet) da semana passada.



Então a história coletiva ficou assim:

Era uma vez um pato chulé que não lavava o pé, estava todo malcheiroso e o biquinho a cheirar mal.Os patos que são pretos dizem:
 - Ó amarelo ... XOOOO! Não venhas para aqui ... tu ainda és mais pequeno do que nós e podes magoar-te. Isto é muito alto. Espera aí um bocadinho que já vamos brincar contigo.
- Atenção !!! Vocês é que podem cair ... Ajudem-me a subir ...
- E eles fazem quá-quá ... vão para a água a cantar:
"Todos os patinhos
sabem bem nadar ... 
sabem bem nadar
Cabeça para baixo 
Rabinho para o ar ... ar
Quando estão cansados
Da água vão sair
Da água vão sair
Depois em grande fila
Para o ninho querem ir .."

Para concluir:
- Então,meninos e meninas, eles são todos iguais ou diferentes?

E depois de alguma conversa difícil, porque são conceitos não muito fáceis de compreender para crianças tão pequenas, lá chegámos à conclusão, uns mais facilmente que outros e alguns nem lá chegaram, que são todos iguais porque são patos, mas todos diferentes, porque seis são negros e um é amarelo e mesmo os negros devem ser diferentes porque uns podem ser mais gordos que outros, podem ter um bico mais bicudo que outros, mais altos uns do que outros... ... Todos iguais, todos diferentes.


O nosso autorretrato

Nesta semana, reduzida a 3 dias (a Leonor esteve doente), a atividade principal começou na segunda-feira, a propósito dos "Gormiti" do ... do ... já não sei bem se foi o Miguel ... Bom, mas a propósito dos Gormit e se eram todos iguais ou todos diferentes, fomos ver como é que nós somos: todos iguais?  todos diferentes? Ou todos iguais e todos diferentes? Arranjámos um "atelier" para fazermos o nosso autorretrato, pesámo-nos e medimos a nossa altura, para depois nos descrevermos. Ainda não terminámos ...tudo isto demora tanto tempo ...
 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Porque a Promoção da Saúde é importante em contexto escolar

Agradavelmente surpreendida, e orgulhosa, pois faz referência ao meu estudo no âmbito do  mestrado em Saúde Escolar, deparo-me com esta apresentação que ocorreu na Faculdade de Medicina Dentária (2008) e  cujo conteúdo continua atualizado. 
 A ver ...




sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Como vendemos o doce?

Depois do doce feito, e temos de agradecer à Sandra, que foi de uma ajuda enorme, combinámos quanto ia custar cada frasco e fizemos em folhas A4 o anúncio da venda do doce, indo a todas as salas da escola. 
Aprendemos com esta atividade:
- a registar;
- a falar do dinheiro, da sua importância e aquilo que com ele pagamos;
- a importância de poupar, para que o dinheiro chegue para pagar o que necessitamos e aquilo que às vezes, embora não precisando, queremos comprar;
- a conhecer as moedas de 50 cêntimos, 1 euro e 2 euros e a fazer o troco, se fosse necessário;
- levámos para vender aos nossos colegas 38 frascos.
  O doce estava mesmo, mesmo muito bom! 

Esta semana fizemos "outras coisas", mas estas foram as atividades mais marcantes e que gostámos muito de realizar. Para a semana queremos fazer marmelada.

Como se faz o doce de abóbora?

Esta semana, e depois do convite à Sandra, a mãe da Mel, fizemos o doce de abóbora. O que aprendemos:
- a registar;
- a pesar;
- a descascar e a cortar a abóbora em partes;
- separar as pevides;
- a fazer contas, porque pesámos a abóbora antes e depois de cozida;
- as balanças são instrumentos que servem para medir o peso dos objetos e das coisas e o peso das pessoas e dos animais;
- o doce leva em açúcar o mesmo peso da abóbora cozida  (mais de açucar amarelo do que branco), paus de canela e raspas de limão.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Carta para a Sandra - e o doce?

Fizemos esta carta para a Sandra, a mãe da Mel, que vem amanhã à nossa sala fazer o doce de abóbora. Esperamos que ela tenha gostado, pois ainda deu trabalho, mas também ... nada se consegue sem trabalho, não é?




O bolo dos nossos aniversários




O registo dos nossos aniversários que fizemos numa tabela serviram para depois sabermos em que mês era o nosso aniversário e quantos de nós o festejavam no mesmo mês. Fizemos um bolo gigante, cada fatia é um mês. Está bem ...as velas que a Leonor desenhou mais parecem do Natal, mas também já estamos quase no Natal ... 
Terminámos este trabalho a semana passada.

Registo da experiência "Flutua ou não flutua"?

De tarde fizemos o registo e para isso, alguns de nós quiseram repetir a experiência assim:

E o barquinho flutuou ...

A propósito dos barquinhos de casca de noz que a mãe da Mel nos trouxe, ficámos com a pergunta:"Numa taça com água, será que ficam ao de cimo - flutuam - ou vão para baixo - não flutua? Muitos de nós ainda acharam que não flutuava e registámos no quadro, para depois irmos confirmar se sim ou não flutuava. E vimos que flutuavam, porque é muito leve, como a castanha, a cortiça, a bolinha de plástico, o fósforo, a bolota, a caixa metálica, que embora grande, não foi ao fundo, a folha da árvore e a madeira. Não flutuou, porque era muito pesada, a moeda, o laço de massa, o botão, a tesoura e o gancho do cabelo da Valéria.

Os medronhos

A nossa imagem que estava exposta desde a semana passada, e muito a propósito da história "A castanha e o medronho" é aquela fotografia e hoje tivemos uma surpresa: não é que os pais do Rafael nos mandaram um ramo de oliveira com azeitonas e medronhos? Pois a propósito disso estivemos a falar do azeite, da oliveira, como se faz o azeite, em que é utilizado, os benefícios do azeite na nossa alimentação ... ... e outras coisas. Soubemos, por exemplo, que o Tomé sabia como se faz. Depois fomos olhar a fotografia e "ouvimos o que ela nos dizia". E disse isto:

"Era uma vez seis medronhos que queriam ir para o chão jogar à bola, mas de repente, veio um melro e comeu o ... como é que eles se chamam? 
- Matana (Matilde+Ana), Vejoão (Verónica+João), Catafi (Catarina+Filipe), Dimi (Diogo+Miguel), Guigui (Guilherme+Guilherme), Vamó (Valéria+Mónica) ... veio o melro e comeu o Dimi. Os irmãos gritaram, os ramos abanaram e o melro fugiu. O Dimi ficou triste, mas depois vieram muitos pássaros porque ele estava madurinho e comeram-no. Alguns frutos são alimento para os animais e as pessoas. Os que não foram comidos pelos pássaros, caíram no chão com o vento e ficaram perto das castanhas, que também tinham caído ao chão. Depois as castanhas e os medronhos transformaram-se em arvores que deram muitas castanhas e medronhos.
História acabada e vai um bolinho para a Sala Encarnada!"

Parece que apreendemos muito bem a história da semana passada e estamos de parabéns por isso.

domingo, 13 de novembro de 2011

Outras atividades da semana

Vamos ainda mostrar-vos fotos de outras atividades desta semana:

                         Dividimos todos os jogos pelas gavetas e contámos as peças uma a uma.


Os dois livros do Manuel: um livro que fomos até mostrar à Ana e que podemos talvez dizer que é simultaneamente dois livros num só, porque vendo-o de uma maneira, tem as letras impressas para pessoas que podem ler e visto ao contrário é um livro escrito em Braille, que é para as pessoas invisuais ou cegas, que são as pessoas que estão impossibilitadas de ver. Também trouxe um segundo livro, o da segunda foto, que é de animais. 


Descobrimos como se faz castanho e verde, que era para fazermos um trabalho de expressão plástica com castanhas e medronhos, na sequência da contagem das castanhas, mas depois ficámos nas intenções, porque se meteram outros trabalhos e outras atividade. Para a semana vamos utilizar.

A Mel e a mãe também fizeram estes trabalhos em casa, mas nós já não tinhamos castanhas para fazer ... o ano passado alguns meninos também fizeram estes ratinhos e fizeram umas tartarugas com as cascas das nozes. Para a semana vamos fazer uma experiência: será que os barcos flutuam ou vão ao fundo dentro de água?

sábado, 12 de novembro de 2011

O Magusto ...

... muito dado a modernices e portanto não houve a tradicional fogueira, como a Leonor ainda se lembra e nos contou como era quando ela era pequena. Foram os pais da Associação de Pais que as levaram e as assaram para nós. Muito obrigada, pais! E nós contribuímos para não sujar o chão com cascas e libertar as mãos e fizemos umas coisas muito giras, que já fizemos o ano passado e que a Leonor viu aqui algures na net.
Ficaram assim:


A aventura da castanha e do medronho

Ao longo da semana falámos do S. Martinho, quem era ele, o que era o magusto de S. Martinho ...  vimos um trabalho feito pela Juca, a nossa amiga "virtual",  e outro feito pela Ana França, a nossa amiga da Casa do Folhas. O grupo que organizou esta atividade e que terminou no dia 11-11-11 (data tão gira!), pensou numa história que foi contada em todas as turmas e cada turma fez depois o puzzle que lhe calhou e foi colocá-lo na história gigante. Chamava-se "A aventura da castanha e do medronho", uma história muito bonita e ecológica. Com ela também aprendemos que as sementes das plantas podem ser transportadas pelos animais, por nós, seres humanos, e pelo vento.

 Inventámos rimas:
- S. Martinho, S. Martinho, come as papinhas e a aguinha
- S. Martinho, levanta o bracinho
- S. Martinho levanta a perninha
- S. Martinho mexe a mãozinha
- S. Martinho pisca os olhinhos
- S. Martinho abana a cabecinha
- S. Martinho mexe os pezinhos
- S. Martinho bate as palminhas ... ...
Assim, também falámos mais uma vez das diversas partes do corpo.

 A história formatada pela Ana:





Aqui ficam as imagens da nossa história:




Os nossos "sons da sopa"

Lembram-se da história d' "Os Sons da Sopa" contada pela Mónica e recontada pelos Galegos ? Pois não estava esquecido que tínhamos um projecto em mãos e esta semana terminou-se. Resumindo, a Mel e mais uns crescidos andaram  no Google a pesquisar as fotografias com os ingredientes da sopa e esta semana tínhamos de representar a história. Calhou mesmo bem a Leonor ter finalmente um tacho enorme e novinho para fazermos o doce de abóbora para a semana e que serviu de modelo para o Manuel, que se ofereceu para a "desenhar à vista". Ficou um trabalho ótimo"!!!

Contar, adicionar, subtrair ... castanhas

Quando já tínhamos muitas castanhas para o magusto, resolvemos fazer pequenos grupos, cada grupo tinha "grandes" e "pequenos", para os grandes auxiliarem os mais pequenos, e contámos as castanhas, adicionámos, subtraímos e no final avaliámos se tivemos "muita dificuldade", "alguma dificuldade" ou "nenhuma dificuldade". Não pareceu já muito difícil cada um, mesmo os mais pequenitos, avaliarem o que fazem e como se sentem. Deve ser por estarmos todos os dias a avaliar as atividades e o nosso comportamento ao final do dia ...

Registos do fim de semana

Na segunda-feira começámos, como já é um pouco habitual, por dar as notícias do nosso fim de semana. Aqui estão os registos e notámos que alguns de nós já conseguem elaborar muito melhor uma frase, que é um conjunto de palavras. Não é muito fácil, pois não se escreve da mesma maneira que se fala oralmente ...

As faltas e as presenças da semana

Na sexta-feira, dia 4, ainda registámos as presenças e as faltas de cada um. Quem fez este trabalho, e foi a primeira vez que se fez, foram os grandes.


quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Adivinha quantos somos a soprar as velas ...

Hoje começamos o trabalho de sabermos em que mês e dia cada um de nós ficava mais velhote e quantos festejavam o seu aniversário em cada mês. Foi muito útil, pois falámos dos meses do ano e quais os meses em que se verificavam mais aniversários, apenas um ou mesmo nenhum aniversário. A Mel e a Rita até ficaram surpreendidas porque nasceram ambas no mesmo mês, apenas a diferença de alguns dias, sendo a Mel mais velhota. 
A tarefa seguinte é passarmos do quadro para um bolo gigante, ideia que a Leonor viu num "blogue amigo" (já não sabe qual, e pede desculpa, mas são daquelas imagens que retemos na memória, por serem interessantes).


Um lanche diferente à base de leite e fruta

Hoje tivemos um lanche diferente: batido de leite escolar com bolachas e sumo de laranja. Finalmente demos uso à máquina do Manuel, ele que o ano passado até nem gostava de sumo de laranja! Muitos repetiram o batido e o sumo não deu para todos, porque tínhamos poucas laranjas.
Agradeço ao amigo Henrique a "dica" do batido. Como a máquina era da Leonor e lhe faz falta em casa, ela levou-a, mas se alguém tiver uma que não use ... é bem vinda.
A Madalena, irmã do André e minha "ex-aluna", assim como as amigas dela, também gostaram do batido.




terça-feira, 1 de novembro de 2011

O "rico" Dia Mundial da Poupança - o "Eco-Jogo"


Pois neste Dia das Bruxas a conversa foi mesmo foi parar à  "poupança", "o que é poupar", "em que é que pudemos poupar todos os dias"  - já não é a primeira vez -  e hoje todos se mostraram interessados em pensar sobre a seguinte  questão:
- O dinheiro que os pais ganham do seu trabalho, o que é que paga?

Aqui está a lista que foi encontrada pelo grupo:

Ora, quanto à roupa, calçado e brinquedos falámos que não se compram sempre, sempre, mas que as outras coisas, todos os meses têm de ser pagas. Já na festa de final de ano e por iniciativa da Associação de Pais tivemos "A feira da roupa usada", agora temos o "Eco-livro" numa iniciativa das Bibliotecas e então lembrámo-nos que talvez pudesses ter o "Eco-jogo" na nossa sala, para os pais não gastarem tanto dinheiro em jogos/brinquedos para nós e que funciona assim:

- um jogo, ou outro brinquedo, que esteja em muito bom estado e que um/a menino/a  já esteja cansado/a de o jogar, traz para a sala, para a caixa do "Eco-jogo", e troca-o por um que goste. Para isso os pais têm de saber, claro.

Arranjámos logo uma caixa e tratámos de a pintar, para melhor receber os jogos.




Ficou muito bem e agora deixámos a secar e vamos escrever:

           
E para os pais, sugiro a consulta deste link sobre ... poupança, pois claro: 
 Saiba como poupar em sua casa 
 
 Para os irmãos mais velhos: O ciclo da poupança                             

O "pobre" Dia das Bruxas ...


Ontem era o Dia das Bruxas, mas temos de confessar que foi muito pobremente comemorado na nossa escola e na nossa sala. Mas ainda tivemos a Mel, a Maria Ana e o Manuel que vieram vestidos a rigor. O Manuel é que nós nem conhecíamos, porque vinha vestido com um fato de esqueleto e que às escuras (fomos em grupos de 5 à arrecadação para vermos) ficava assim:


Até os mais pequenitos acharam o máximo! E aqui estão as nossas duas lindas bruxinhas. Depois da experiência do "fluorescente" às escuras, a conversa não rumou para bruxas, bruxos ou outros que tais, mas para a poupança, já que se comemorava o Dia Mundial da Poupança. E este tema pareceu-nos, de facto mais interessante, se tivermos em conta a situação económica que vivemos.

Ah! Esqueci que a seguir à experiência "Manuel", a Leonor contou-nos uma história de bruxas:
 A Bublina descobriu as cores, tinha um gato que se chamava Gráfiko e uma palavra mágica: XARIMARIFOK

 
Templates Mamanunes