sábado, 28 de maio de 2011

Os ebooks sobre a nossa vida e outras histórias

No seguimento da actividade da Páscoa "Comemoração da Vida", semana durante a qual falámos do Ciclo da Vida, a Leonor inventou um livro para escrevermos em casa com os pais, no qual falávamos dos nossos pais e de nós mesmos desde o 1º mês de gestação até sermos velhinhos. Não era muito fácil, porque para além de falarmos do PRESENTE também tínhamos de falar do PASSADO e do FUTURO, ou seja, como a Leonor diz, tínhamos de nos "projectar no tempo". 
Se calhar foi por isso que até agora só vieram cinco livros e nós somos vinte e quatro (a Micaela mudou de residência e de localidade) e bem que gostaríamos que os pais dedicassem algum tempo a ajudar-nos a fazer o "Trabalho de Casa" ... No 1º Ciclo também vamos ter os "TPC", não é? De vez em quando até que é salutar um "TPC" para fazer com os pais ...

Myebook - Livro do Lourenço - click here to open my ebook
Myebook - Livro do João - Os pilotos - click here to open my ebook



Myebook - O livro da vida da Margarida Dias - click here to open my ebook
Myebook - O livro da vida da Margarida Miranda - click here to open my ebook
Myebook - O livro da vida do Matias - click here to open my ebook



Myebook - O livro da vida do Tomé - click here to open my ebook

Avaliação da actividade "Vamos dar sangue"

A actividade foi planeada, concretizada e avaliou-se. Partilha-se aqui a avaliação.

Os vulcões da Laura

O prometido é devido e a Laura, a mãe do Manuel, que é professora dos meninos do 12º ano, veio à nossa sala falar-nos dos vulcões e ensinar-nos a fazer a experiência. Ela trouxe garrafas de plástico, vinagre de vinho e bicabornato de sódio. Os nossos vulcões, que nos deram tanto trabalho, ficaram pequeninos e agora a Leonor sugeriu que quem quisesse podia fazer uma maqueta. Todos disseram que queriam fazer a a Leonor disse:
- "Vamos ver quantos fazem ..."
E aqui estamos nós a fazermos os vulcões na semana passada para que hoje estivessem secos ...





Adorámos a experiência, mas no final reunimo-nos para fazer uma pequena revisão do que a Laura nos tinha ensinado. Então ela fez-nos algumas perguntas e soubemos todas, menos uma! À tarde a Leonor perguntou outra vez e ainda nos lembrávamos ...
Resumidamente foi isto que retivemos:
- Como se chama o que sai do vulcão? Lava
- É quente ou fria?  Quente ... a ferver.
- A quantos graus? 1000º graus Celsius e se nos caísse um pinguinho em cima morríamos.
- O que sai do vulcão? Água, cinza, fumo, pedras, lava
- Como se chama a caixa onde está a lava? Esta era a mais difícil e não nos lembrávamos: Câmara magmática.
 A Laura ainda explicou que:
- existem dois tipos de vulcões: os que saem sempre lava e vapor de água chamam-se "efusivos" e os que saem pedras e cinzas e chamam-se "explosivos" e há os "mistos".
- Quando as lavas saem do mar, chamam-se "almofadas", porque é o que parecem; quando picam quando arrefecem chamam-se "Aha", como se as pisássemos e disséssemos "ah ah ah ah ..." e as encordoadas, porque parecem cordas, chamam-se "Phoehoeho" (lê-se Foióói).
- Que a água que bebemos não vem do supermercado, mas dos vulcões.
- A Terra é o único planeta que tem água e Vida.
 O Lourenço depois lembrou-se de uma revista da National Geographic que tinha vulcões em erupção. Também gostámos muito do relógio de mergulhador dela ... 



Agora o 4º ano quer que a nossa sala lá vá ensinar a experiência. Fixe!

O que tem o pequeno-almoço com um gráfico de barras?

Na sexta-feira de manhã, mais uma vez, a conversa foi parar ao pequeno-almoço, como é importante comer de manhã e o que é que cada um comeu. Pois não é que um menino não comeu nada, onze comeram bem e sete comeram muito pouco, como uma bolachinha, um pouco de leite e pouco mais?  Mães ... atenção ao pequeno -almoço ... estamos toda uma longa noite sem comer ...

E como há algum tempo não aproveitávamos um assunto para o representar graficamente, foi o que fizemos, mas desta vez nós é que fizemos tudo, com a a orientação da Leonor.



O leque da Ana

Depois da feira do Livro fomos à biblioteca e íamos para requisitar livros, mas depois estava muito calor, a Ana tinha lá um leque e pronto, já não requisitámos os livros! A Ana começou a brincar de chinesa a dançar com o leque, depois chegou a professora Carla que continuou com a brincadeira e depois quisemos nós experimentar. E só saímos de lá porque a Sala Azul já estava à porta para entrar, mas combinámos chegar à sala e fazer os nossos leques ...




Feira do Livro

Na quarta-feira de tarde, fomos à feira do livro. A Leonor falou-nos acerca das editoras e do que fazem, mostrou-nos diversos livros e falámos dos preços, os que eram mais caros e mais baratos. Depois vimos os livros e os que gostaríamos de ver mais em pormenor se os pais o pudessem depois comprar connosco. O senhor João escreveu-nos o título do livro e o preço para levarmos para casa. Nos dois dias seguintes alguns de nós fomos lá comprar os livros e sozinhos!


sexta-feira, 27 de maio de 2011

A gaivota e o melro



Era uma vez uma gaivota chamada … não nos lembramos do nome  … e um melro. Ela estava a voar lá no céu e depois veio uma tempestade, afastou-a do mar e levou-a para a floresta. Na floresta ela aleijou a asa no ramo de uma árvore. Um melro, que se chamava Zacarias, encontrou-a e foi buscar musgo para pôr na asa e ficaram amigos. A seguir vieram os pais do melro e disseram:

-“ O que é que está aqui a fazer uma coisa branca que não é do nosso tipo? Que come peixe ?! Que nojo!!!”

A mãe disse:

- Eles comem onde fazem xixi e cocó? Que nojo!!!!”

Os pais do melro Zacarias não queriam que ele fosse amigo da gaivota por ela ser diferente. E a seguir o pai do melro disse-lhe que por isso ele fosse embora e nunca mais voltasse. E o melro foi embora com a gaivota para o mar. Mas passou um dia sem comer, porque ele não gostava de peixe e à noite ele andava às voltas e às voltas e não conseguia dormir com a fome, mas lá adormeceu cheio de fome. De manhã veio uma onda gigante e molhou-o e a gaivota perguntou:

-“ Tu não tomas banho, Zacarias?”

- “Tomo … tomo banho… só molho as patas e quando há pouca água molhamos as asas e a ponta do bico”.

E de manhã o melro lá comeu um peixe e disse:

-“Ai que tenho uma espinha na garganta! Gaivota, vamos à floresta à bruxa para tirar a espinha”.

E lá foram eles. Quando lá chegaram a bruxa, que era espanhola, perguntou:

-“ Queres comer peixe e voar por cima do mar, melro? E tu, gaivota, queres voar por cima da floresta e comer insectos?”

E os dois disseram que sim. Então ela disse aquelas palavras mágicas e disse para o criado:

-“Traz aí o caldeirão …” , mas o caldeirão caiu no pé do criado. A bruxa tirou duas penas da gaivota e duas penas do melro, misturou tudo e disse:

-“Dentes de dragão … uma perna daqui … uma perna dali … perna de sapo … olho de sapo e já está!!!”

Saiu a espinha e depois a gaivota perguntou ao melro se queria ir conhecer a família dela. O melro disse que sim, mas as primas disseram:

-“ Quem é este bicho preto?”

- “É o meu amigo melro. Ele come insectos e vive na floresta e é meu amigo”

E ficaram todos amigos. Depois o melro levou a gaivota à floresta para conhecer a família dele, mas o pai do melro disse:

-“ Porque é que estás aqui, Zacarias? Com a tua amiga branca? Não disse para nunca mais voltares?”

Então chegaram as primas da gaivota e perguntaram ao melro:

-“ Quem são estes bichos pretos?

-“São a minha família … E se vocês tocarem na minha amiga eu pico-vos para a defender e vamos voar até nos cansarmos e morrermos, porque somos amigos. Ela é uma gaivota e eu sou melro, mas não importa”.

Depois ficaram todos amigos, mesmo sendo diferentes.


E aqui está na íntegra a reconstituição da história do "Ateliê - A vida das Palavras" pelo grupo dos meninos mais velhos da sala.
Posso dizer que erraram o nome do melro, que na história se chamava Malaquias, a gaivota chamava-se Gabriela e a bruxa afinal era uma fada ... O resto da história está em tudo muito semelhante e compreenderam bem a mensagem da história: sermos amigos, apesar das diferenças.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Recontar a visita dos idosos

Ontem sorteámos os meninos que vão representar a nossa turma no coro do Dia Mundial da Criança e os que foram ouvir os idosos que vieram à nossa biblioteca estar connosco. E hoje a Mel, a Margarida Miranda e o Diogo Daniel contaram-nos o que lá se passou. Eles não contaram histórias, mas ADIVINHAS!
1- O que é que corre sem pés, tem cama e não dorme? (Rio)
2 - O que é que quando está seco fica molhado? ( Toalha)
3 - O que é que anda com os pés na cabeça? (Piolhos)
4 - O que é uma mistura de papagaio e de uma girafa? (Altifalante)
 5 - Qual é coisa qual é ela que vira as pernas ao contrário e fica do avesso? E também salta? (Pipocas)
  A Margarida Miranda informou que "na biblioteca está lá uma flor que é o símbolo da instituição".
 E esta foi uma adivinha do Lourenço:
- Qual é coisa qual é ela que cai no chão e fica amarelo?

E o nome da equipa é ...

No Dia da Criança vai haver jogos de futebol entre equipas de pais e o Jardim-de-infância ficou de criar os nomes para as equipas. São quatro equipas e cada sala inventa um nome.Começamos a pensar, mas os nomes que dizíamos eram todos das equipas que já existem e não era isso que a Leonor pedia. Então ela teve a ideia de nos fazer a seguinte pergunta:
-" O que é que um futebolista é ou tem de fazer?"
Assim as respostas foram mais fáceis:
- Tem de treinar
- tem de jogar
- tem de marcar golos
- é um corredor
- é um atleta
- é rápido
- é veloz
- é saudável
Vimos que rápido e veloz quer dizer a mesma coisa, são sinónimos,  mas que o contrário, o oposto,de rápido é lento e o contrário de saudável é doente.
Vimos que de todos estes nomes que dissemos, o que não nos soava muito bem eram "treinar, jogar, golos, futebolista", mas que "corredores, atletas, rápidos e velozes" já eram nomes mais bonitos para a equipa. Então votámos e deu o seguinte resultado:
- Corredores - 3 pontos
- Atletas - 1 ponto
- Rápidos - 3 pontos
- Velozes - 17 pontos
- Saudáveis - 0 pontos

Por isso, a nossa sugestão para o nome de uma equipa é "Velozes", com 17 pontos.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A vida das palavras

Hoje de tarde foi a nossa ver de ir ver a história do Ateliê "A vida das Palavras". Deixamos as imagens e na segunda-feira fazemos o nosso reconto da história. Mas gostámos muito!


Digitinta e brincadeira

Hoje de manhã ocupámo-nos a fazer digitinta e a brincar na areia. E tínhamos o espaço só para nós, pois fomos logo cedo. Para a semana temos de fazer outra vez, pois nem todos fizeram e queriam ...



Do nosso canteiro ...

... parece que só nasceram estas lindas courgettes do Lourenço. O resto, ou é erva ou esperamos que lá haja alguma planta das sementes que semeámos. Esperemos ... para ver.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Hoje cantarolámos ... :)



Foi o João que tomou a iniciativa de cantar Leandro e logo se seguiram muitos outros cantores: o André e o Tiago, o Lourenço, o Tomé, as meninas Mónica, Bárbara e etc ... Foi um bocado bem divertido ...




Duas coisas e um convite ...

Pois este foi o painel que fizemos ontem:




Este foi o PowerPoint que a mãe do Manuel, a Laura, nos mostrou:


E este foi o Diploma de Participação assinado por mim e pelo João, o menino mais velho da sala e nosso representante:


Esperemos que a Laura tenha gostado da surpresa.
E aqui fica um convite, já muitas vezes dito às crianças: QUEM QUER VIR À NOSSA SALA PARTILHAR O QUE QUISER? Até pode ser uma história, uma canção, um jogo ... o que quiserem.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

E agora o painel

Hoje de manhã estivemos a escrever as noticias do fim-de-semana, tivemos um aniversário, brincámos e de tarde combinámos que os mais velhos se dividiam por grupos de 2 e cada grupo se dedicava a um dos direitos já falados, para em conjunto fazermos um painel colectivo. O painel final só amanhã o penduramos, mas hoje deixamos aqui as fotos de quando estávamos a fazer ...


domingo, 15 de maio de 2011

Tivemos hoje uma convidada especial

Tivemos uma convidada especial, como o são todas as mães e pessoas que nos vêm visitar. Na sexta-feira o Manuel estava ansioso que chegassem as 10:30, porque a mãe dele, a Laura, no dia anterior combinou com a Leonor no Facebook vir cá à nossa sala falar-nos de um direito das crianças: o Direito à Educação. A Laura é professora no Colégio Santo André e dá aulas a meninos mais velhos do que os da nossa escola. Tivemos com ela uma conversa muito interessante e ela até levou umas imagens de escolas de outros países e estivemos "a ler" as diferenças.
Olhem aqui as foto:


sábado, 14 de maio de 2011

Bem que eles diziam que estavam lindas ...

As batatas,pois então ... e aqui estão as fotos, pois não conseguimos ver o e-mail hoje, porque a Internet anda com soluços ...

Eu, Leonor, digo já que estão umas lindas batateiras, compreendo ser o vosso orgulho, Matias e Tomé, e foram uns verdadeiros fotógrafos! 
PARABÉNS!


quinta-feira, 12 de maio de 2011

Os Direitos Da Criança que já sabemos que temos

Pois hoje, entre "outras coisas e conversas", de manhã fomos convidados (ou obrigados? estas duas coisas em educação às vezes baralham-se um pouco ...) a cada um reproduzir num desenho o Direito que quisesse ou que mais gostasse. Para espanto da Leonor, só um de nós desenhou "fora da tarefa", porque mesmos os mais pequenos, os de 3 anos, compreenderam muito bem e, como sabem,  representaram um Direito. 
De tarde fizermos assim: a Leonor mostrava um desenho e o autor não dizia nada, tendo os amigos que descrever o desenho e deduzir qual era o Direito. O autor depois só confirmava qual tinha sido a sua ideia. Depois a Leonor colocou-nos a seguinte questão: se numa escala de "0 a 5" déssemos uma nota qual era o valor do nosso desenho? Todos teriam 5, porque se mantiveram no tema, excepto o menino que saiu do tema e desenhou uma coisa completamente diferente, como ele confirmou, e esse, lamentavelmente, teria 0(zero)! 
Bom ... à Leonor pareceu que esta avaliação estava justa e para a próxima o menino do "0" (zero) tem de prestar mais atenção à tarefa...


terça-feira, 10 de maio de 2011

Prendas pela manhã? Que bom!


Esta e um perfume xpto, foram as prendas que dois alunos meus hoje me deram com um sorriso de lado a lado... e eu fiquei muito feliz, mas ...  não era meu dia de aniversário! ... Mas agradeço e quis partilhar esta situação que me deixou feliz. Obrigado, mães!

Rir de nós mesmos é uma virtude :)




Pois estas foram as nossas imitações da carinha de parva com que a Leonor grande ficou na fotografia de grupo e até foi ela que nos chamou a atenção para isso e rimos ... e rimos ... É que ela estava séria e a fotógrafa disse:"Então e esse sorriso, senhora educadora?". Mas o Guilherme Semedo também ficou parecido, foi o que reparámos a seguir ... E a galhofa foi tanta que a seguir a Leonor quis falar daquela coisa estranha dos "Direitos" e ninguém lhe deu importância e ela desistiu ... mas "atacou" à tarde, como está na notícia anterior ...

Ser solidário ... sempre!

Como os pais sabem,  vai haver uma Feira do Livro Usado, ao encargo da nossa Ana, da Casa do Folhas, e uma Feira da Roupa Usada, ao encargo da Associação de Pais, no Dia da Criança. Para que ela se realize é necessário que sejamos bondosos e procurem roupa e livros em bom estado e que já nos vos faça falta. Se procurarem às crianças, elas dir-vos-ão também do que se trata, pois até fizemos este poema quando falámos em conjunto do assunto:

A nossa caixa já tem lá roupas e livros e a Mariana perguntou se podíamos vender as roupas que ficam "perdidas" na escola e ninguém sabe de quem são ... Não deixa de ser uma pergunta pertinente, pois a roupa que não for vendida (tudo será vendido a um preço simbólico e reverte para Instituições de Solidariedade Social) será entregue em instituições e anda sempre " muita roupa sem dono"...
Seja solidário ... e participe com o seu filho ou a sua filha ou ... os seus filhos ... ou as suas filhas!  Temos todas estas opcções ...
Obrigado.

Direito - o que é? Direito a quê?

Hoje a conversa de tarde e de grande grupo foi sobre "direito", porque o Dia Mundial da Criança aproxima-se e a escola tem um programa de rádio para gravar, ah, pois é ...
E o que quer dizer "DIREITO"? Fomos ao dicionário de Português que temos na sala procurar a letra D, de Diogo, de David, de dado ... e o Diogo Daniel ajudou: direito, entre outras coisas, é uma coisa de lei!!! Era o que lá diz... Então o que é o DIREITO?
As respostas e a conversa (que parece pequena, mas durou das 13:45 às 14:40) , que tentei tanto quanto possível registar, foram:
- É andar direito - Tomé
- Andar MUITO direito! - Manuel
- Ficar direito com o corpo - Eduardo
- Falar com calma - Bárbara
- Sentar ao colo da mãe - Matias
- Direito de dar coisas - Lourenço
- Direito de partilhar coisas - Guilherme Ginja
- Andar a pé direito - Matias
- Direito de ser muito amigo dos amigos e emprestar roupa aos amigos - Eduardo
- Direito de ter amigos - 
- Dar coisas aos pobres - Lourenço
- Direito de brincar - Diogo Daniel
- Direito de dormir - Margarida Miranda
- Dormir onde, perguntei eu
- Na cama ...
- Onde? - perguntei eu
- no quarto ...
- No quarto onde? -  perguntei eu
- Na casa ...
- Então todos temos direito a dormir na cama, que está num quarto, que está numa casa? Todos temos direito a uma casa? - perguntei e todos concordaram - então já estão aqui alguns dos vossos direitos:
Direito a ter uma casa, Direito a ter um colo - colo da mãe, do pai ... de quem? São quem? Responderam "a Família".Então têm também o direito a ter uma família. Têm ainda o direito de brincar, como disse o Diogo Daniel ... e têm mais direito a quê?
- Eu tenho direito a fazer uma pirâmide com livros e a acampar - Lourenço
- Tenho o direito de ir à praia da Ericeira - Bárbara
- Tenho direito a ir à praia do Sul - Tomé
- Tenho direito a ir à piscina - Manuel
- Então têm direito a quê? - perguntei eu -  Ao desporto?  - e concordaram
- Vamos agora pensar noutra situação: a história do Maté ... - disse eu - quando ele foi atropelado, quem o socorreu?
- A ambulância
- Então ele teve direito a quê?
- Ao médico
-Então, as crianças têm direito ao médico, à saúde, concordam?
- Vamos pensar noutra coisa ... com o Maté ia a mãe e ela também foi atropelada ... veio a ambulância e quem socorreram primeiro?
- o Maté, porque ele é criança ... é o primeiro a ser socorrido - Leonor (pequena)
- Então têm direito à saúde e direito a ser primeiro socorrido em caso de acidente ... Agora vamos ainda pensar noutro assunto ... Eu não me chamo "coisa" e nenhum de vocês se chama "coisa" ... eu chamo-me Leonor e cada um de vocês tem um nome, certo? nome próprio e depois o apelido da mãe e do pai (e dei o exemplo do meu nome e depois alguns deles foram levados a pensar qual era o seu nome próprio, o apelido da mãe e do pai). Vou agora mostrar-vos alguns cartões ...


E destes cartões só um é o meu Bilhete de Identidade, porque tem a minha foto, a minha impressão digital, que é única, nome da mãe, do pai, data de nascimento ... podíamos até cada um fazer o seu ... a Maria João já tem o Cartão de Cidadão, o qual junta alguns destes cartões da Leonor, mas ... em ambos diz isto: "República Portuguesa", que é que isto quer dizer?
- São portuguesas ...
- Agora vamos a umas perguntas difíceis: e uma pessoa que viva em França?
- Franceleiro - Matias
- Francês - corrigi - e se vivesse em Itália?
- Italianos
- Espanha?
- Espanhóis
- China?
- Chineiro
- Chinês - corrigiu a Margarida Miranda
- e se vivesse em Timor (sabia esta difícil ...)
- Timoneiro
- Timorense - corrigi- então todos nascemos num país, certo? Temos direito a uma nacionalidade, que é ser cidadão de um país ... vamos agora ver este pequeno filme e amanhã ou depois vamos falar de outra coisa bem importante: os vossos deveres ...

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Dar sangue é dar vida

Depois das enfermeiras e do médico, só faltava chegar a Unidade Móvel do Instituto Português do Sangue. Todos os alunos da escola visitaram este autocarro especial e ouviu as explicações de uma enfermeira e depois das 15:30 quem quis e podia, foi dar sangue. A Leonor foi dar sangue e com ela estavam os pais da Bárbara e da Mónica, Isabel e Luís, e o pai da Margarida Dias, que foi o nosso contacto com o Instituto, pois ele é dador.
A Leonor e a professora Lúcia, as docentes que estavam na organização desta actividade, agradecem à Associação de Pais esta oportunidade de poderem colaborar com eles, pois esta actividade foi por eles proposta para o nosso Plano Anual de Actividades.


O médico também veio ...

De tarde foi o médico do Instituto Português que veio falar-nos e nós compreendemos bem o que ele nos disse, porque estávamos bem preparados. O Diogo Daniel e o Matias tiveram a ideia de levar o garrafão de 5 litros (quantidade de sangue que o adulto tem no corpo) com o meio litro (quantidade para dádiva de sangue) de "sangue" (era água com tinta vermelha) e o médico achou muito interessante essa ideia e depois até utilizou para as turmas que vinham a seguir. Ele é que não sabia que já todos o tinham visto ...


E as mães enfermeiras vieram para ...

Hoje de manhã 3 mães enfermeiras vieram à nossa escola medir a tensão e a pulsação dos meninos, meninas, professoras e auxiliares. A pulsação é a frequência com que o coração bate por minuto, isto é,  a pulsação corresponde às variações de pressão sanguínea na artéria durante os batimentos cardíacos e a tensão arterial é o ciclo de expansão e relaxamento das artérias do corpo (ver aqui e aqui ).

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Fomos ao campo ...

Hoje fomos de manhã ao campo, porque os nossos amigos estavam em provas e não podíamos fazer barulho. Fomos ver logo a carta de amor que tínhamos deixado lá à árvore no Dia da Árvore e ainda lá estava!!! A tinta já estava um bocado esborratada da chuva, mas o Eduardo viu-a e mostrou-nos.
Há muito tempo que não íamos lá e vimos que as ervas estão muito crescidas, porque estavam com o orvalho da noite e molhámos os sapatos, as meias, as calças ... Lanchámos lá e tirámos umas fotografias muito divertidas que vimos à tarde na sala. Elas aqui estão em filme ...

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Maté

E quem é Maté? É uma mistura de Matias e Tomé, pois os irmãos não chegavam a consenso e a Leonor inventou este nome para a personagem principal da história que tínhamos de inventar para fazer parte de um livro de histórias colectivo, ou seja, uma história inédita de cada sala do estabelecimento, que é depois compilado pela Ana e estar pronto para ser apresentado na Feira do Livro, que será em breve.
Deixámos a história de grupo iniciada na semana passada, pois era muito grande, com muitas personagens (eram todos os meninos da sala) e com um enredo complicado e queríamos fazer a dramatização antes de a escrever ... mas como andámos a receber todas as turmas na nossa sala esta semana por causa do sangue, e como tínhamos de entregar a história até amanhã à Ana e os prazos são para se cumprir, hoje de tarde inventámos esta. A Leonor grande é que só disse o pormenor do tipo do sangue, pois não foi isso que andámos tanto a falar? e a história foi esta :
Maté
Era uma vez um menino que se chamava Maté, que é uma mistura de Matias com Tomé, e tinha dez anos. Ele vivia na Nazaré, no Bairro da Bela Vista.
O Maté vivia na Nazaré, andava sempre a pé, estudava no Colégio de Santo André e a professora chamava-se Maria José. Ele andava no 4º ano do 1º ciclo.
O Maté tinha muitos amigos e gostava muito de estudar. Ele já era muito crescido e muito responsável e atravessava sempre nas passadeiras, mas um dia, veio um carro louco, que não viu a passadeira, que não parou e o atropelou! Era muito sangue e veio a ambulância, que levou o Maté para o hospital.
O Maté partiu a cabeça, o braço direito e a perna esquerda. Como o Maté perdeu muito sangue, ele precisava de uma transfusão de sangue, mas o sangue do Maté era muito raro, era o sangue do tipo O-  e o hospital não tinha este sangue. Então, a mãe do Maté fez um pedido no colégio para que todos os adultos saudáveis e com mais de 50 Kg fossem ao hospital para dar sangue e poderem ajudar o Maté.
Os professores, os auxiliares e os pais dos amigos do Maté e ainda os pais dos meninos que apenas conheciam o Maté (não eram assim muito, muito amigos … eram mais conhecidos), foram dar sangue para o Maté e para ficar no banco de sangue do hospital.
O Maté depois da transfusão de sangue ainda ficou no hospital 15 dias e depois veio para casa no dia em que fazia 11 anos. Mas, quando ele chegou, as luzes estavam apagadas e toda a gente estava escondida. Então, quando ele acendeu a luz, todos disseram:
- “SURPRESA! PARABÉNS! FELIZ ANIVERSÁRIO, MATÉ!”
Depois deste dia e enquanto o Maté não foi à escola, os amigos, um de cada vez e um por dia, foram a casa do Maté ajudá-lo a estudar aquilo que a professora Maria José ensinava nas aulas e, ás vezes, até a professora Maria José o ia visitar e ensinar.
Assim, é importante para o coração e para a nossa vida, ajudarmo-nos uns aos outros e termos saúde, paz, amizade, carinho e o amor.

E vitória, vitória … acabou-se a história e vai um bocadinho de bolo da mãe Sónia!

(amanhã votamos o desenho que fizemos a seguir, pois só pode ser entregue um para ilustrar a história ...)

Todas as salas passaram na Galega Encarnada ...

Ontem e hoje todas as salas passaram pela nossa sala para a Leonor dizer o que nos tinha dito acerca do sangue e verem o video e o PowerPoint que nós vimos e, por isso, nestes dois dias de manhã estivemos mais com a Sónia e apenas 2 ou 3 de nós quiseram repetir e ficar na sala a assistir novamente ao que a Leonor já nos tinha dito e mostrado. 
A Leonor só tirou umas fotos hoje à sala 4 e à sala 5. E não é que eles lhe cantaram uma canção fantástica no âmbito de um trabalho que andam a fazer em conjunto de Língua Portuguesa? Vejam as fotos e os vídeos ...



quarta-feira, 4 de maio de 2011

Quer vir à nossa escola doar sangue? Doar é ser amigo ...

Pois é ... na segunda-feira, dia 9, das 13:30 às 15:30 vamos ouvir um médico e visitar uma Unidade Móvel do Instituto Português do Sangue e as pessoas que quiserem, e puderem, podem vir dar sangue à nossa escola.
 Hoje não precisamos, mas quem sabe se um dia precisamos deste precioso líquido? Ajudamos hoje para amanhã podermos ser ajudados ... 
Como esta actividade foi proposta e planeada em colaboração com a Associação de Pais "Mais Pais, Melhor Escola", a D. Diamantina Dias, a quem agradecemos, mãe da nossa Margarida Dias, foi hoje de tarde auxiliar a Leonor e a Professora Cristina Loureiro a distribuir panfletos pela povoação da Póvoa da Galega, para que todas as pessoas saibam desta iniciativa.  Foi um menino de cada sala e a sala 2 e estas são as fotos:

Pintura com sangue ...

Não é nada! A Leonor lembrou-se de desenharmos sangue a fingir ... fizemos assim: pingos de tinta vermelha, que é da cor que o sangue fica em contacto com o oxigénio, e pingos de tinta azul, que é a cor do sangue quando está carregado de dióxido de carbono, como vimos nos livros, uma palhinha e depois soprámos ... parece mesmo como está nos livros, não parece? Claro que tínhamos de parar de vez em quando e respirar pausadamente, para que o oxigénio não nos faltasse de tanto soprarmos e desmaiarmos (que é ficar como adormecidos)...






Até testámos o que aprendemos ...

Na terça-feira, logo de manhã, a sala 1 da professora Lúcia juntou-se a nós para falarmos mais um pouco desse líquido tão importante que temos no nosso corpo que se chama SANGUE. A Leonor e a Lúcia explicaram, resumidamente,  que:
- A quantidade de sangue que temos no nosso corpo são 5 litros, mas que um dador só pode dar quase meio litro, tem de ser saudável e adulto com mais de 50 Kg. 
- Que é muito importante dar sangue porque ele não se fabrica numa fábrica e nem se vende num supermercado. 
- Que cada um tem um tipo de sangue e que pode ser A, B, AB e O e ainda pode ser Rh- ou Rh+. Que em caso de acidente ou doença só podemos receber sangue compatível com o nosso, pois se não for podemos morrer e por isso é tão importante sabermos o nosso grupo sanguíneo. Fizemos este cartão de dador que levámos para casa para os pais preencherem connosco. Parece que alguns pais não sabem o grupo sanguíneo de alguns de nós e é muito importante saber ...

- O sangue é composto pelos glóbulos vermelhos que transportam ora o oxigénio, que é quando inspiramos, ou o dióxido de carbono, que é quando expiramos, os glóbulos brancos que atacam as bactérias e quando não conseguem temos de tomar medicamentos, como os antibióticos, as plaquetas, que funcionam como uma rolha quando nos magoamos e fazemos uma ferida, para que o sangue não saia sem parar do nosso corpo, mas que há umas pessoas com uma doença a quem isso acontece e se chamam hemofílicos e o plasma
- O sangue é bombeado pelo coração, que bate sem parar desde que nascemos até morrermos.
Seguidamente a Leonor explicou-nos que tínhamos todos de ver atentamente o que íamos ver a seguir, pois tínhamos de fazer um teste a seguir, para testarmos o que tínhamos realmente aprendido. Do Pré-escolar  só fazem o teste os meninos que vão transitar para o 1º ciclo e as educadoras lêem o teste. Explicou que é muito fácil, porque cada pergunta tem 3 respostas e nós só temos de escolher a certa e fazer uma cruz.
Vimos o filme que já tínhamos visto na segunda-feira e um PowerPoint que a mãe da nossa Margarida Dias fez a partir de um livro que está aqui e onde podem ler mais coisas acerca deste assunto,  e a seguir o teste.
Aqui está o teste (depois a Leonor tem de analisar os testes de todos os meninos da escola e só então põe aqui os resultados no blogue):


O PowerPoint

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O que é o SANGUE?

Pois como de hoje a oito dias vamos cá ter uma visita do Instituto Nacional do Sangue, hoje estivemos a falar do sangue e já sabemos algumas coisas:


- É para nós vivermos porque está dentro do nosso corpo  (Eduardo)
- O sangue vai para dentro do coração ( Lourenço)
- Depois sai do coração (Matias)
- Depois entra outro sangue (Guilherme Ginja)
- Sai das feridas (Margarida Miranda)


Até fizemos um poema assim:

Se o sangue fosse uma sala
Era a Sala Encarnada

Se o sangue fosse uma flor
Era uma papoila, um cravo ou uma rosa encarnada

Se o sangue fosse um fruto
Era uma maçã, um pêssego ou um morango encarnado

Se o sangue fosse uma parte do corpo
Era o coração encarnado

Se o sangue fosse um doce 
Era uma gelatina de morango encarnada


De tarde vimos este filme



A Margarida Dias auxiliou a Leonor a publicar esta notícia.

domingo, 1 de maio de 2011

Feliz Dia, Mãe querida...

Pois esperamos que as mães tenham gostado da prenda dos meninos... Lembram-se daquela tentativa frustrada com gesso e o fundo das garrafas de água no Natal? Pois foi isso que fizemos e desta vez sem nos pormos a misturar tinta com o gesso e ficaram umas rosas muito bonitas. Depois lembrámos-nos que uma vela pequenina também lá ficava bem, pois as nossas mães até nos dão luz, nos dão vida ...
Também fizemos um poema colectivo a partir das frases e algumas palavras mais repetidas por nós acerca da mãe e ficou assim:
MÃE, QUERIDA MÃE

Tu és tão fofinha
Como um ursinho de peluche

Tu és tão fofinha
Como a neve

Tu és tão amorosa
Como o amor do coração

Tu és tão linda
Como uma flor

Tu és tão querida
Como uma pomba da paz e da amizade

Tu és tão linda a dormir
Como um anjinho no céu

Tu és tão lisinha
Como uma folha de papel

Tu és tão importante para nós
Como a vida que nos deste


Gosto tanto de ti, Mãe! Amo-te, Mãe …

Autores: Galegos Encarnados, 2011



A nossa casa ... dentro de casa!

Pois vamos explicar o que faz uma tenda na nossa sala, para aquelas mães que tenham alguma dificuldade em compreender totalmente o porquê. Pois desde o final do período passado que algumas crianças se dedicaram a fazer uma casa com coisas de desperdício, mas era muito complicado para limpar a casita deles ... então na sexta-feira a Sónia trouxe uma tenda e foi o delírio total. O pior foi o cheiro tão agradável dos pés de meninos tão pequenos quando se descalçaram ...   ;(


 
Templates Mamanunes