quinta-feira, 13 de maio de 2010

Dia da Espiga

Como hoje é feriado no concelho de Mafra, comemorando-se o Dia da espiga, ontem fomos ao campo apanhar o nosso raminho. 

 

Não apanhámos toas as plantas como nos diz a Wikipédia: "O Dia da espiga ou Quinta-feira da espiga é celebrado no dia da Quinta-feira da Ascensão com um passeio matinal, em que se colhe espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. Segundo a tradição o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.
As várias plantas que compõem a espiga têm um valor simbólico profano e um valor religioso. Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.
O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.
A simbologia por detrás das plantas que formam o ramo de espiga:
  • Espiga – pão;
  • Malmequer – ouro e prata;
  • Papoila – amor e vida;
  • Oliveira – azeite e paz;
  • Videira – vinho e alegria e
  • Alecrim – saúde e força."
Dia da Espiga
  • A Quinta-feira da Ascensão é uma festa religiosa católica. Há locais onde é mesmo um dia feriado.
    Celebra a ascensão de Jesus ao Céu, depois de ter sido crucificado e de ter ressuscitado (A Ressurreição é o que a Páscoa celebra).

    A história é esta:
    Quarenta dias depois da Ressurreição, Jesus apareceu pela última vez aos seus discípulos, em Jerusalém, e levou-os ao Monte das Oliveiras.
    Depois de lhes ter renovado a promessa do Espírito Santo, ergueu as mãos ao céu e abençoou-os. Nesse instante começou a elevar-se no ar e não tardou que uma nuvem o escondesse dos olhos deles. Como estes continuaram a olhar o céu, apareceram-lhes dois anjos a anunciar que Jesus voltaria do mesmo modo que o viram subir.
    Então os discípulos deixaram o Monte das Oliveiras e regressaram a Jerusalém.

  • Este dia (a Ascensão) ocorre cerca de quarenta dias depois da Páscoa, e é sempre a uma quinta-feira.

  • E, também, sempre nessa data, celebra-se o Dia da Espiga ou Quinta-feira da Espiga.

  • Tradicionalmente, de manhã cedo, rapazes e raparigas vão para o campo apanhar a espiga e outras flores campestres.
    Com elas, formam um ramo com: espigas de trigo, folhagem de oliveira, malmequeres e papoilas. O ramo pode também incluir centeio, cevada, aveia, margaridas, pampilhos, etc.

  • Cada elemento simboliza um desejo:



      - A espiga = que haja pão (isto é, que nunca falte comida, que haja abundância em cada lar) - O ramo de folhas de oliveira = que haja paz (lembra-te que a pomba da paz traz no bico um ramo de oliveira) e que nunca falte a luz (divina). (Dantes as pessoas alumiavam-se com lamparinas de azeite, e o azeite faz-se com as azeitonas, que são o fruto da oliveira.) - Flores (malmequeres, papoilas, etc.) = que haja alegria (simbolizada pela cor das flores - o malmequer ainda «traz» ouro e prata, a papoila «traz» amor e vida e o alecrim «traz» saúde e força)

  • O ramo é guardado ao longo de um ano, até ao Dia de Espiga do ano seguinte, pendurado algures dentro de casa.

  • Acredita-se que este costume, que surge mais no centro e sul de Portugal, nasceu de um antigo ritual cristão, que era uma bênção aos primeiros frutos.

  • No entanto, por ter tanta ligação com a Natureza, pensa-se que vem bem mais de trás no tempo, talvez de antigas tradições pagãs associadas às festas da deusa Flora que aconteciam por esta altura e às quais se mantém ligada à tradição dos Maios e das Maias.

  • Hoje em dia, nas grandes cidades, as pessoas já não vão colher o Ramo da Espiga (nem há onde...), mas há quem os venda, tendo-os colhido e atado, fazendo negócio com a tradição... E ajudando a preservá-la.

 



5 Comments:

Anónimo said...

Sim senhora!Vejo que estudaram bem a liçao.O dia da espiga e isso mesmo,e ja dizia a minha avo"faleceu com 95 anos",por isso devia de saber o que dizia,que realmente dia santo era hoje.Mais santo ainda que a sexta feira,antes da Pascoa.QUE SAUDADES TENHO DAS HISTORIAS ANTIGAS QUE ME CONTAVA.
Bom dia da espiga,resto de um bom feriado.Bjs mae Isabel

M. Jesus Sousa (Juca) said...

Olá Leonor e galeguinhos...
Muito obrigada por terem partilhado connosco tanta informação sobre o Dia da Espiga, festividade que não é muito difundida cá pelos nossos lados.
Assim todos aprendemos, com as diferentes tradições de cada local do nosso país.
Bjs, Juca e Sala Fixe

Paula Duarte said...

Este foi o primeiro ano que não fui à espiga.
A tradição é muito interessante e bonita, ainda tenho o meu raminho do ano passado pendurado na despensa.
Obrigada pela informação.
Beijinhos da Paula e dos Perlimpimpim.

Lenita said...

Em maré de recordações, regressei à minha infância...adorava ir ao campo com a minha mãe colher as flores e demais elementos que foram este ramo tão simbólico e especial. No tempo que viviamos em Lisboa e ee era bem pequenina...

Cá no Minho não é tradição!
Obrigada Leonor, trouxeste recordações muito boas!
Bjs

rosarinho said...

Obrigada pela partilha Leonor.
Já houve tempos em que também nós, aqui em Belas, íamos à espiga, mas infelizmente os campos e pinhais deram lugares a prédios...
de qualquer modo fizémos papoilas de papel, amassámos um pãozinho e lá compusémos um raminho com espigas que as educadoras trouxeram.
beijos dos fofos e da Rosarinho

 
Templates Mamanunes