quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Que em 2010 ...

...não sejamos precipitados como os 3 Porquinhos no Natal e que a calma reine em nossos dias...
Um vídeo delicioso ... video

sábado, 26 de dezembro de 2009

Avaliação 1º Período

avaliação 1º período 2009-2010

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Tudo o que sei, aprendi no Jardim de Infância



"Tudo o que devo saber mesmo para viver, que fazer e como ser, aprendi-o num Jardim Infantil.
A sabedoria não estava no cume da mais alta montanha, no último ano de um curso superior, mas no recreio da minha escola.
Cá estão as coisas que aprendi:
Partilhar tudo com os companheiros.
Respeitar as regras do Jogo.
Não bater em ninguém.
Guardar as coisas no sítio onde estavam.
Manter sempre tudo limpo.
Não mexer nas coisas dos outros.
Pedir desculpa quando se magoa alguém.
Lavar as mãos antes de comer.
Puxar o autoclismo.
Biscoitos quentes e leite frio fazem bem à saúde.
Viver uma vida equilibrada: estudar, pensar, desenhar, pintar, cantar, dançar, brincar, trabalhar, fazer de tudo um pouco todos os dias.
Dormir a sesta todas as tardes. E ao sair à rua ter cuidado com o trânsito, dar a mão ao companheiro e prestar atenção à professora...."

Robert Fulghum
"Tudo o que sei aprendi no Jardim infantil"

Saúde

Porque a àrea da Saúde me interessa particularmente, ver, a quem interessar, Alimentação em Tempos de Gripe, um Livro com receitas para os mais novos, Receitas para uma Ceia de Natal mais Saudável , Importância de um pequeno-almoço saudável e ainda algumas Dicas para Escolhas Alimentares Saudáveis e Económicas.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Feliz Natal



A escola portuguesa é laica desde da Constituição da I Republica, e já lá vão 100 anos. Quer isso dizer, que a escola não professa, nem deve promover a prática de qualquer religião, por respeito por todas as religiões, por respeito pela crença religiosa de cada família e de cada aluno. Se isto é verdade, é verdade também que o próprio calendário escolar está organizado em torno das principais festividades católicas e, assim, reflecte-se na prática das escolas, por exemplo, a vivência do Natal e da Páscoa. Na nossa prática pedagógica promove-se o respeito pelas diferenças, que não são só as físicas, mas também as das ideias e das crenças, não havendo verdades absolutas em relação a coisa alguma (a não ser, talvez, as verdades de âmbito científico), devendo existir, e isso sim, a vivência dos valores fundamentais, para que possamos viver em cidadania e democracia.

E que neste Natal, como em todos os dias das nossas vidas, sejamos saudáveis, felizes, solidários, amigos, tolerantes ... em paz connosco, com a vida e com os outros.

Feliz Natal.

Teatro de Natal "Estrelinha mágica"




O nosso Teatro de Natal foi apresentado por alunos de todas as salas e pelas professoras Cristina Gonçalves, Carla Vilar e Eulália e as educadoras Margarida e Susana. A Este teatro assistiram todas as crianças e uma última sessão foi aberta aos pais e, dada a afluência, foi feita uma segunda sessão. Seguidamente, perto das 15:15, realizou-se o lanche conjunto.
Às minhas colegas e às crianças expresso o meu agradecimento por este belo momento.

Outras fotos da semana



  


Nesta semana também ocorreu o sismo e não podíamos deixar de reforçar os comportamentos a ter numa situação como esta que agora foi vivida. Outros sítios a consultar (fornecidos aqui) : aqui, aqui, aqui e aqui.

Presépios

Uma exposição de presépios realizados em casa com as crianças, foi uma das propostas desta semana. Aqui estão algumas fotos alusivas a essa actividade. Todos as famílias estão de parabéns.

Coros de Natal

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Calendário para 2010

Quisemos fazer uma prenda para iniciar o ano de 2010.

Pedidos ao Menino Jesus

Elaborar o painel da Sagrada Família

Programa da Semana do Natal

Passa o conto


No dia 9, o "Passa o conto" (é um conto que passou por todas as salas e é, por isso, um conto colectivo) "passou" na nossa sala e este foi o texto que fizemos em conjunto:

E no dia 16 fomos à Casa do Folhas ver a história completa. Conta a história de uma família numerosa que prepara o seu Natal. Estava muito bonita.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Reflectindo acerca do papel da escola e da família ...

Fui abordada há uns dias, por um encarregado de educação, para esclarecimento acerca de sugestões feitas por mim ao seu educando, relativamente ao seu lanche da manhã, tendo em vista um lanche mais variado e mais saudável, à luz do nosso conhecimento sobre o assunto. Desde daí, e foi apenas a alguns dias atrás, tenho reflectido bastante acerca desse “pedido de esclarecimento” e acerca do “mas cabe-nos a nós, família, …” .
Assim, neste espaço público, mas que não se quer anónimo (pelo menos para as 25 crianças e respectivas famílias, que “habitam” o espaço onde trabalho, durante um tempo útil superior àquele que habitam as suas próprias casa, pelo menos para algumas crianças), parece-me importante reforçar, também aqui, o seguinte: já a Constituição da República refere no seu Artigo 36.º, ponto 5, que “Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos” e também as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, referem que “a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida, sendo complementar da acção educativa da família”. Pois bem, quer isto dizer que a escola não pretende substituir a família num direito e num dever que é seu exclusivamente, mas tem com ela relações de “parceria no que se relaciona com a educação da criança”, ou seja, como técnico de educação, qualificado para o desempenho das suas funções, qualquer professor tem o direito, o dever e a obrigação de promover a aprendizagem dos seus alunos e também, a aconselhar os encarregados de educação acerca de qualquer assunto que se relacione com o bem-estar, saúde e educação do seu/sua filho/a. Contudo, compete aos pais, ou aos seus substitutos, aceitar ou não esse aconselhamento, pois a criança é da sua responsabilidade. No entanto, é da responsabilidade do educador tudo aquilo que veicula dentro e fora da sua sala de aula, tendo plena consciência do “impacto” que as suas palavras têm sobre as crianças, fundamentando-se teoricamente num quadro referencial que se consubstanciou na sua formação académica. No meu caso, e para tranquilizar, e mesmo esclarecer qualquer dúvida acerca da minha prática, refiro que a área das Ciências da Educação e a área da Saúde, são áreas na qual me “movimento muito bem”, pois adquiri formação específica em ambas as áreas, para além do bacharelato em Educação de Infância (obtido em 1984), que me habilita para a docência.
Educador reflexivo sobre a sua prática, constantemente procuro o esclarecimento de qualquer dúvida que me surja e, geralmente, encontro a resposta na formação contínua ou no diálogo com outros docentes. Também tem sido através da formação contínua, primeiro através da licenciatura (Ciências da Educação, FPCEL) e depois através do mestrado (Saúde Escolar, FML), a que se acrescenta a participação em inúmeras acções de formação de curta e longa duração, congressos, seminários e encontros, que tenho também progredido na carreira, assim como tenho, fruto dessa formação e reflexão, evoluído qualitativamente no desempenho das minhas funções. Tudo isto, apenas para dizer que, embora o conhecimento seja ilimitado e que temos a noção do quanto limitado é o conhecimento de cada um relativamente a um todo, nada do que afirmo, ou faço, perante uma criança, é feito de forma irreflectida e/ou ao acaso. E quando não sei, apenas digo:”olha, eu não sei, mas vou procurar saber”. E não deve ser assim que todos nos devemos posicionar na vida? Com honestidade e humildade perante o nosso saber e as nossas limitações? Honestidade e humildade perante o outro?

E, por favor, se este post lhe merece algum tipo de comentário, por favor identifique-se. Não o faça anonimamente.
Obrigado.

Em relação a este post, ontem, dia 1 de Janeiro de 2010,uma amiga que desempenha funções na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa como Técnica Superior de Educação e que acompanha crianças negligenciadas pela família,salientou-me o seguinte: o papel da família termina quando maltrata ou negligencia a criança e, nessa situação, a escola, e mesmo a sociedade, tem de desempenhar o seu papel, intervindo a favor do bem-estar da criança. Os maus-tratos não são apenas os físicos e os emocionais, mas também os alimentares e os pais de uma criança obesa devem ser referenciados aos organismos competentes para uma intervenção junto destes, tendo em vista o interesse superior da criança.
Segundo a Organização Mundial de Saúde uma criança ou adolescente é considerado obeso quando o seu índice de massa corporal (IMC) é igual ou superior ao percentil 95.
Mais alguma informação aqui.
Amiga Luísa, agradeço o teu contributo, foi uma mais-valia importante.

domingo, 6 de dezembro de 2009

E você, ainda se recorda do espírito natalício?



Um vídeo partilhado pela lista RBE (obrigado, Ana)

sábado, 28 de novembro de 2009

D. João I - Sala 4

Lá tivemos novamente a visita da Sala 4 que nos vieram contar a história de D.João I. A sala Encarnada gosta muito de os ouvir...

2º Dia da Feira do Livro



Na sexta-feira, a Leonor levou os restantes meninos da Sala Amarela e da Sala Encarnada à Feira do Livro e, desta vez, foi o Pedro quem falou connosco. A Leonor comprou um livro que ela gostou muito, para depois nos contar. Sabem ... um livro é uma das melhores prendas que nos podem oferecer porque nos fazem sonhar, dizem-nos coisas para aprendermos ...levam-nos até a conhecer outras pessoas, outros povos, outras culturas ... todos devíamos ler sempre e muito. Ainda podem ver mais fotografias deste dia aqui

Quem é afinal o Cuquedo?



Na sexta-feira passada, a Leonor contou-nos a história do Cuquedo, mas não vimos quem era, afinal o Cuquedo. Enviámos um e-mail ao Pedro a pedir-lhe para quando fossemos lá esta semana, ele nos mostrar quem era o Cuquedo, pois na Casa do Folhas devia estar. Como ele estava muito ocupado com a Feira do Livro, ele enviou-nos a história por e-mail e nós vimos na nossa sala. Obrigado, Pedro e Folhas.
Depois de ouvirmos a história, fizemos a dramatização com a Sala Amarela, que estava connosco. Foi muito giro e a história é o máximo! Afinal o Cuquedo não é um monstro terrível! Ele só existia na imaginação dos animais da floresta.



Feira do livro



Temos durante três dias, a Feira do Livro na nossa escola. No primeiro dia, a Leonor levou alguns meninos da Sala Encarnada e metade da Sala Amarela, porque a Educadora Susana está doente. Se querem ver mais sobre este assunto, vejam aqui
e aqui

Painel de pintura



Adoramos fazer pintura numa grande superfície de papel, mas sujamo-nos um bocado ... as mães que nos perdoem, mas estivemos tão felizes!

Escova, escovilhão e fio dentário


O fio dentário prende-se entre os dedos indicadores e passa-se por entre os dentes. O escovilhão tem tem a mesma função do fio dentário, que é limpar os dentes onde a escova dos dentes não consegue chegar, que é mesmo entre os dentes, nos espaços muito apertadinhos.

No almoço




Na terça-feira alguns meninos quiseram tirar fotografias a almoçar e até foi bom, porque muitos pais não sabem como é lá o almoço. Olhem como eles almoçam tão bem e sozinhos ...

O Cuquedo contado pela Paraíso e a Leonor



Recontámos utilizando a memória, a história que ouvimos na semana passado "O Cuquedo" e o Paraíso quis ajudar, mas pediu para não haver muito barulho e a Leonor poder contar a história. Alguns meninos da Sala Amarela estavam connosco e gostaram muito da história e da Paraíso.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Declaração dos Direitos das Crianças

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Painel do Dia Mundial dos Direitos da Criança

Eis um bocadinho da nossa pintura, com os direitos e deveres das crianças escritos por todas as salas do estabelecimento. A pintura ficou muito bonita na nossa entrada ...

Os fantoches do Estêvão ...

Era uma vez um Avôzinho que vivia na Póvoa da Galega e era amigo do avô do Jonas. Este avôzinho gostava muito de livros mas também tinha uma horta, com muitos legumes, patos, galinhas e até um Coelhinho da Alface que vivia na horta e na alface, escondidos nas suas folhas, vivem escondidos mais 6 amigos pequenos:uma abelha, uma minhoca verde e uma castanha e ainda mais 3 amigos deles! Ora este avô tinha dois filhos e o que vivia aqui na Póvoa da Galega, tinha uma neta que se chamava Galega Encarnada. O avô contava-lhe algumas vezes a origem do seu nome, pois todos temos um nome e a Galega tinha este nome, porque há muitos, muitos anos antes, muito antes dos nossos avós,uma senhora tinha vindo de uma terra distante com um nome parecido com "galega" e que ajudou a que a nossa terra crescesse para ser como ela é hoje e por isso é que ela ficou "Póvoa da Galega". O Avôzinho tinha um outro filho, que vivia num país distante e onde se fala uma língua muito parecida com a nossa, que é o Brasil. Ora, esse filho casou e teve uma filha que tinha a pele como a cor do chocolate e que se chamava Pica-Pau Amarelo, porque vivia no Sítio do Pica-Pau Amarelo. E ela falou-nos de umas aves que andavam muito tristes nas suas florestas por causa da poluição: a Ave do Paraíso, o Papagaio, a Caturra e um Picapau. Estes pássaros têm muitas cores, são grandes e ... têm som!!! Adorámos esta história! E agora, a Ave do Paraíso e a Galega Encarnada vão ficar para sempre connosco na sala.


Os fantoches do Estêvão ...

Neste dia tão especial, ainda tivemos uma surpresa na Sala da Componente de Apoio à Família, onde nos reunimos com as 3 salas do Jardim de Infância, a Sala 1, o Pedro, as professoras Cristina Loureiro e Cristina Gonçalves e ainda a nossa querida Ana! E o Estêvão é o amigo que nos proporcionou estes momentos mágicos aqui...

Dia Mundial dos Direitos da Criança

Depois de falarmos na sala sobre os direitos e os deveres das crianças de todo o mundo, fomos fazer uma pintura colectiva no recreio.Ora vejam ...

Dia Mundial dos Direitos da Criança

Comemora-se este ano o 50º aniversário da Declaração dos Direitos da Criança, proclamada pelas Nações Unidas no dia 20 de Novembro de 1959. De manhã, na sala, nós falámos dos Direitos das Crianças e dos Deveres também.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Outras coisas desta semana...

E amanhã, dia 20 de Novembro, vamos ter muitas coisas para falar e fazer, pois comemora-se o 50º aniversário da Declaração dos Direitos da Criança, proclamada pelas Nações Unidas no dia 20 de Novembro de 1959. Dos Direitos e dos Deveres também, pois muitos de nós, as crianças, e os pais, esquecem-se muitas vezes deles ...dos deveres ...

O Xavier

O Rodrigo trouxe um livro e 3 radiografias (RX). De tarde, a Leonor trouxe mais radiografias ... E assim criámos o Xavier.

 
Templates Mamanunes